Opa! Onde é que você me trouxe, pai?

Opa! Onde é que você me trouxe, pai?

Muitas pessoas acham que eu exagero quando digo que sou uma anta, mas esta é a mais pura verdade: sou uma anta. É a única explicação que encontro para nunca, em 36 anos de vida, ter procurado, de verdade, ficar por dentro da programação das unidades do SESC em São Paulo. Mas isso vai mudar depois do último domingo.

Neste final de semana, por culpa das circunstâncias do ultimo sábado (um dia imprestável, com uma chuva insistente que estragou qualquer possbilidade de passeio), no domingo eu sabia que precisava dar um jeito de levar todo mundo pra fora de casa.

A idéia original era irmos até a casa de meu pai. Como o vô Dódi e a vó Tê resolveram curtir o domingão sozinhos na cidade de Arujá, precisei arrumar um plano B. Lembrei do SESC. Não sei porque, mas lembrei. Nunca frequentei as unidades (mesmo morando a poucas quadras de uma). Acessei o site e vi uma chamada para a exposição Proibido não Tocar, na unidade Pinheiros. Mostrei para Camila e concordamos que seria uma ótima idéia de passeio para um domingo preguiçoso.

Ao chegarmos lá, fomos direto para o quinto andar, achando que a referida exposição era por lá. Nâo era, claro. Mas tinha coisa melhor: atividades circenses. O lugar estava em polvorosa: crianças, jovens, instrutores, pernas-de-pau e tatames por tudo quanto é lado.

Logan saiu do elevador e foi enlouquecido diret0 para os tatames  antes que eu pudesse pegá-lo (que gerou comentários de uma mãe próxima sobre o fato dele estar com o tênis ao entrar no tatame). Bem, não é a exposição, mas podemos ir vê-la depois. E lá ficamos, aproveitando um espaço incrível, com poucos riscos de acidentes e até mesmo fazendo um pouco de fisioterapia com Logan, ensinando-o a dar cambalhotas.

Quanto à exposição? Bem, as senhas estavam esgotadas. Vamos tentar de novo neste final de semana. :-))

Tá. Como é que eu ensino ele a dar cambalhotas?

Tá. Como é que eu ensino ele a dar cambalhotas?

Assim, ó.

Assim, ó.

Depois é só deixar que o corpo faz tudo sozinho.

Depois é só deixar que o corpo faz tudo sozinho.

Ah tá! Assim, né?

Ah tá! Assim, né?

Uia! Funciona mesmo!

Uia! Funciona mesmo!