Foto: Heusi Action / Miriam Jeske/ ME

Reportagem publicada no site Ganhador, mostra como está o legado do – inexplicavelmente desprezado pela mídia – paradesporto brasileiro pouco mais de um após o término dos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Além de ressaltar a importância da prática desportiva no processo de inclusão de pessoas com deficiência, a reportagem mostra a evolução constante do número de medalhas conquistadas pelas delegações brasileiras desde a criação do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), em fevereiro de 1995 – um cenário muito diferente dos decepcionantes resultados conquistados pelo desporto de alto rendimento, sob a tutela do COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

O artigo mostra ainda a boa “saúde” financeira do CPB na comparação com seu “irmão” COB, as metas para os próximos anos e o destino dado a parte dos equipamentos utilizados da Rio 2016.

Clique aqui e leia o artigo completo.

Foto: Heusi Action / Miriam Jeske/ ME